Um dia inteiro de protesto contra desocupação na Cohab

7
5732

Movimento começou por volta das 7 horas, com confronto com a PM e ônibus apedrejados. No meio do dia, passeata seguiu para o gabinete do prefeito e gerou congestionamentos na região do Centro 

Por: Caroline Rossetti

Passageiros se viram no meio do tumulto/Foto: Redes sociais

Era por volta de 7h30 desta sexta-feira, 30/8, quando o motorista da linha municipal 106 – Vila Dirce/Estação passava pela avenida Antônio Faustino dos Santos, na Cohab 5, e se viu dentro da manifestação contra a reintegração de posse da rua Alterosa, que tem data marcada para o dia 12/9. Em conversa com o Carapicuíba na Rede, ele contou que o local, próximo ao Atacadão, parecia que estava em guerra, com pessoas correndo para todos os lados, atirando pedras no ônibus e se esquivando da investida da Polícia Militar.

“Foi Deus que me mostrou o caminho para sair dali sem ninguém ferido”, relembra o motorista. No caminho aberto pelo veículo da ETT Carapicuíba, outro ônibus intermunicipal da linha 283 – Ariston/Vila Yara, que também ficou preso no meio da passeata, encontrou a saída. “Eu só falava para todo mundo se proteger e ficar abaixado. Como sempre, o ônibus estava bem cheio, com idosos, crianças e uma mulher grávida, que chegou a passar mal e foi acudida por outros passageiros”, contou o motorista ao CnR, que afirmou que não houve feridos e que só deixou todos descerem assim que conseguiu estacionar dentro do Terminal Metropolitano Luiz Bortolosso, no Km 21.

Ambos os ônibus foram atingidos pelas pedras atiradas pelos manifestantes. As pedradas quebraram os para-brisas e as portas laterais dos dois veículos, que permaneceram no 3º DP, para ser realizada uma perícia dos danos.

Os dois coletivos foram atingidos por pedradas durante a manifestação/ Foto: Caroline Rossetti – CnR

O CnR também ouviu moradores da ocupação que estavam na manifestação. Eles afirmam que a confusão com a PM começou depois que um grupo decidiu que iria interditar a avenida, foi quando a polícia revidou com balas de borracha e gás de efeito moral, e eles, com pedras. “Estamos preocupados para onde as pessoas irão depois da desocupação. Muita gente não tem para onde ir”, disse um morador, que afirmou ter cerca de 750 famílias na comunidade, totalizando por volta de 3.800 pessoas. Ele ainda contou que na quinta-feira, 29/8, cinco representantes conversaram com o prefeito Marcos Neves em um evento no Parque Jandaia.

Depois do tumulto, a concentração dos moradores permaneceu próximo à Ame Carapicuíba. Perto das 11h30, o grupo seguiu em marcha novamente pela avenida Antônio Faustino dos Santos, escoltado pela PM e GCM, de forma pacífica, em direção ao gabinete do prefeito, na Vila Caldas. No trajeto, o trânsito na região central ficou congestionado, sendo que perto das 13 horas a avenida Deputado Emílio Carlos foi interditada próximo à sede da prefeitura.

Manifestantes incendiaram pneus para interromper trânsito/ Foto: Redes sociais

Uma representante dos manifestantes disse ao CnR que a ida até a prefeitura era para reivindicar uma reunião coletiva entre os moradores, a administração municipal e a Cohab e esclarecer como a desapropriação acontecerá.

De acordo com a prefeitura, via Secretaria de Comunicação (Secom), os manifestantes permanecem em frente ao prédio municipal e estão conversando com os gestores. A liderança da comunidade reforçou que, se o encontro não ocorrer, as manifestações continuarão nos próximos dias.

Com os acontecimentos desta sexta-feira, moradores do entorno da ocupação estão com medo de sair de casa no dia 12/9, em que ocorrerá a desapropriação. “Estamos com medo de ter outra confusão. Assim, já até avisei no serviço que não vou conseguir ir no dia da reintegração e vou evitar sair”, disse uma moradora da Cohab.

No caminho para a prefeitura, a manifestação foi pacífica, porém, gerou trânsito por onde passou, na Cohab, Vila Municipal e na região central/ Foto: Caroline Rossetti – CnR

Ao CnR, a prefeitura afirmou que está fazendo tudo o que está ao alcance para auxiliar as famílias que serão desapropriadas, como a oferta de serviços de zoonoses, transporte para a realização da mudança voluntária – antes do dia 12/9 – e cadastro para a fila dos programas habitacionais municipais – que, por enquanto, poucos moradores aderiram.

No início do mês, o CnR noticiou que a Companhia Metropolitana de Habitação da Cidade de São Paulo (Cohab-SP) havia conseguido uma medida judicial para fazer a reintegração de posse do terreno da rua Alterosa, que é do órgão e está ocupado desde 2016. Na época, a Cohab afirmou que estava notificando as famílias sobre a desocupação, que deveriam sair do local e solicitar o auxílio social à prefeitura, além de informar que a área será destinada para a construção de novas habitações.

Já na noite desta sexta-feira, 30/8, a assessoria de imprensa da Cohab informou ao CnR que realizou uma reunião com representantes da comunidade na sede da companhia, na capital, na quarta-feira, 28/8, ressaltando que o terreno terá que ser desocupado. Foi pontuado, também, que a prefeitura ficará responsável por construir habitações populares no local, já que a Cohab não atua mais fora da capital, porém, não foi afirmado quando a ação ocorrerá.

Leia mais sobre o assunto:

Cohab-SP fará reintegração de posse em terreno da rua Alterosa

Manifestação contra reintegração fecha região dos Paturis

PM e GCM escoltam manifestantes que se dirigem ao gabinete do prefeito

7 COMENTÁRIOS

  1. Quando a gestão pública é ineficiente, a população fica carente. Como pode, o prefeito Marcos Neves indicar o terreno da rua Alterosa para desocupação, com a desculpa de que ali será construído novas unidades habitacionais, sem antes dar um destino digno para a população que lá se encontra, que ali criaram raízes, tem muitas crianças e idosos que vão perder e muito com essa reintegração de posse promovida pela cohab e apoiada pela prefeitura de Carapicuíba. Absurdo!

  2. ESSE PREFEITO JÁ DEU O QUE TINHA QUE DÁ 👊👊👊👊👊TEM MAIS QUE CAIR FORA ELE É O BANDO DE PUXA SACO DELE ESTÁ DEIXANDO O POVO REVOLTADO COM TUDO QUE FAZ ESTAMOSSEM REMÉDIOS SEM MÉDICOS SEM ÁGUA NO COMÉRCIO E ELE SÓ BENEFÍCIA OS PUXA SACO DELE SÓ DEUS NA CAUSA 🙏🙌😢😢😢😢😢😢😢😢

  3. Antes deste prefeito assumir o municipio estava jogado as traças temos que reconhecer que ele esta fazendo muitas melhorias
    Contra ordem judicial nao se descute tem que cumprir ate porque muita gente que invadiu tem casa em outro canto de carapicuiba . alem do mais esta favela esta queimando o filme de carapicuiba um fedo so esgoto a ceu aberto. Muito bom trabalho prefeito… Vamos começar com esta a reintegraçao de posso em seguida onde houver invasao vamos tirar tudo tambem ok nestes espaços vamos construir escolas creches e hospitais ok

  4. Por acaso você mora aqui perto, aposto que não né, pois quem mora aqui e paga seus impostos, conta de luz, água gaz é que esta sustentando estes moradores porque não pagam absolutamente nada ok.se você está com dó leva eles pra sua casa e sustenta eles certo.

  5. Eu moro no prédio ao lado desta favela. O barulho e o mau cheiro são insuportáveis. Trabalho, pago os impostos e tenho que aguentar tudo isso quando chego em casa. Nem entrega do correio eu recebo mais pois consideram minha área de risco. Além disso tenho que observar meu imóvel se desvalorizar em quase 50% sem poder fazer absolutamente nada. Parabéns para quem tomou a iniciativa de desapropriação. Pois da minha janela consigo ver as maquiagens que fizeram para simular a carência de casa. Por fora um cercado de madeira enquanto por dentro construiam sobrados com alvenaria. Além de ver inclusive carros importados chegando no local no momento da invasão e ficarem escondidos dentro dos barracos. Desapropriação justíssima.

Deixe uma resposta