Terreno da Cohab 5 continua tomado por entulho após desocupação

1
262

Quase dois meses depois da reintegração de posse, destroços da área da rua Alterosa têm contribuído para o aparecimento de animais peçonhentos

Por: Caroline Rossetti

Vista do terreno da ocupação. Na esquerda, imagem registrada pelo Google Maps em 2011. Na direita, atual situação da área/ Fotos: Reprodução Google Maps e Caroline Rossetti – CnR

Na próxima terça-feira, 12/11, completam-se dois meses que a área da rua Alterosa, na Cohab 5, passou por uma ação de reintegração de posse. Após a demolição das casas, naquele dia 12/9, o terreno ficou tomado por entulho e a permanência dos destroços no local tem causado impactos no bairro.

Em conversa com o Carapicuíba na Rede, um morador da Cohab 5 contou que o terreno cheio de entulho tem contribuído para o aparecimento de cobras pelas ruas. “Fui deixar minha filha de três anos na Emei Maria Eliana Zadra na manhã de segunda-feira, 4/11, quando me deparei com uma cobra próxima ao muro da escola, na Alterosa”, relatou o pai. Ele afirma que, em outra ocasião, nos últimos meses, encontrou uma cobra vermelha e preta já morta no bairro.

Cobra estava rastejando na calçada da escola, próximo à área desocupada e cheia de entulho/ Foto: Leitor CnR

O pai disse que está preocupado com a proximidade do período de chuvas, o que pode aumentar a proliferação de insetos, e prováveis doenças, por causa do acúmulo de lixo no terreno da rua Alterosa. Esta também é a aflição de outros moradores do entorno da área desocupada, que afirmam que o número de mosquitos já cresceu nos últimos dois meses.

Ao CnR, moradores disseram ainda que as ruas que desembocam no terreno estão enfrentando uma infestação de escorpiões, que têm se escondido nos escombros. A atual situação do espaço é de abandono. O cheiro de carniça, umidade e mofo é predominante. O lugar tem gerado insegurança para os moradores. “Era comum ver gente cortando caminho por dentro da favela, mas, muitos não passam mais pelo terreno com medo de ladrões estarem escondidos no entulho”, contou um morador.

“Como se não bastasse, por diversas vezes vimos pessoas chegando ao terreno para despejar mais entulho. Deveriam, pelo menos, cercar tudo”, comentou um moradora. Ela relatou que a cadela da família já arrastou duas carcaças de gato, que morreram durante a reintegração, para fora da área.

Lago da rua Betim, na beirada da ocupação, foi destruído durante a reintegração. Local também se tornou ponto de descarte irregular de entulho/ Foto: Caroline Rossetti – CnR

Com exceção dos domingos, em que há jogos de futebol de times da cidade, o campinho da rua Alterosa, que ficava ao lado da comunidade, também tem sido evitado por munícipes. “Não deixo mais meu filho jogar bola no campinho. Além do medo de andarilhos, ele também corre o risco de se machucar em algum escombro ou cair em alguma fossa, que ficou aberta”, disse outra moradora.

Até um lago, construído na rua Betim, sofreu os efeitos da desocupação. As bombas, que oxigenavam a água, e a iluminação foram destruídas junto com os barracos. Restou apenas o buraco com um pouco de água e algumas carpas, que estão sendo cuidadas pelos moradores do entorno.

O que diz a prefeitura e a Cohab

Registro do satélite, que ainda não foi atualizado quase dois meses após a desocupação, mostra a proporção da comunidade/ Foto: Reprodução Google Maps

O terreno, que passou por reintegração de posse cumprida após uma medida judicial (saiba mais), pertence à Cohab-SP, que faz parte da prefeitura da capital. Na época, a prefeitura informou que até que a área seja transferida para a administração municipal, o entulho do desmonte das casas permaneceria no local para evitar novas invasões.

Nesta semana, o CnR procurou novamente a gestão municipal para saber como está o processo de passar o espaço para o município. A prefeitura afirmou que está negociando a doação da área com a Cohab.

A Cohab-SP esclareceu que a prefeitura de Carapicuíba apresentou o pedido de transferência da área para a construção de unidades habitacionais de interesse social. A companhia disse que as partes estão analisando também a transferência de outras áreas à municipalidade. Para que a Cohab faça a cessão, todas as áreas deverão ser utilizadas para o atendimento da população, como habitação, escolas, postos de saúde e outros equipamentos públicos.

Sobre a limpeza do entulho da ocupação da Alterosa, a administração municipal pontuou que ela está sendo solicitada à Cohab-SP, que ainda é a proprietária do espaço. A Cohab-SP, por sua vez, informou que “está adotando os procedimentos cabíveis para viabilizar a remoção dos resíduos com a urgência necessária”.

Já com relação ao aparecimento de cobras e escorpiões, a prefeitura alertou que o munícipe deve entrar em contato com os órgãos responsáveis para que as providências sejam tomadas. Deve ser comunicada a Vigilância em Zoonoses (telefone 4164-3866) ou a Secretaria do Meio Ambiente (telefone 4187-3837). Até então, a gestão afirma que não foi notificada de nenhum animal do tipo na Cohab 5.

1 COMENTÁRIO

  1. Se o prefeito e a cohab não tem planos ou dinheiro pra fazer nada no terreno porque não deixou os moradores lá .Pelo menos não tinha tanto lixo 😣😣😣😢😢😢😢

Deixe uma resposta