Jovem morre após agressão de PM no Parque Santa Tereza

2
5934

Segundo testemunhas, o policial teria agredido Rian Rogerio, de 18 anos, com o cassetete enquanto ele pilotava uma motocicleta

Um jovem morreu após ação de um policial militar na noite de terça-feira, 21/5, na rua Zéquinha de Abreu, em frente a EE Prof. Natalino Fidêncio, no Parque Santa Tereza. Segundo testemunhas, Rian Rogerio, de 18 anos, pilotava sua moto quando foi atingido no pescoço por um golpe de cassetete de um policial que fazia ronda no local, perdeu o controle da motocicleta, atingiu um carro e caiu no chão já desacordado.

O caso aconteceu por volta das 19 horas. Testemunhas ouvidas pelo Carapicuíba na Rede, que não quiseram ser identificadas, disseram que Rian havia subido a rua da escola e conversava com amigas da igreja, onde era violinista. Quando desceu a via, um dos policiais que realizava ronda próximo da escola teria saído da viatura e atingido o rapaz com um golpe de cassetete.

Após receber o golpe, Rian teria perdido o controle da moto e atingido um veículo, caindo já inconsciente no chão. Quem presenciou o fato garantiu que o policial que acertou o jovem saiu do local sem prestar qualquer socorro. Os relatos ouvidos pelo CnR dão conta que de pessoas que estavam perto de Rian é que tentaram reanima-lo. O Samu foi acionado e encaminhou o jovem até o Pronto Atendimento Vila Dirce, onde já chegou morto.

O Carapicuíba na Rede procurou a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) para tentar esclarecimentos sobre o caso. Em nota, sobre a conduta do policial relatada pelas testemunhas, a SSP informou que “todas as circunstâncias envolvendo a ocorrência são investigadas, por meio de inquérito policial, no 1º DP de Carapicuíba”, e que “os policiais e testemunhas estão sendo ouvidos”. A nota é finalizada com a afirmação de que “a Polícia Militar acompanha as investigações”.

Esse seria o segundo caso envolvendo a agressão de um PM durante ação de patrulhamento. Em fevereiro, um homem de 23 anos teve o abdômen perfurado na região do umbigo durante uma abordagem da Polícia Militar na Cohab 2 (relembre).

MP propõe ação contra governo e as polícias

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) propôs uma ação civil (veja aqui) contra o Governo de São Paulo, Polícia Militar e Polícia Civil do estado devido a letalidade policial e aos elevados índices de ocorrências policiais envolvendo morte de policiais e de não policiais.

A ação é assinada pelos promotores Eduardo Valério e Bruno Simonetti, que pedem providências para evitar mortes, aprimorar o controle externo e social das polícias e para “garantir provas que permitam a responsabilização criminal e civil dos policiais e Instrumentos para o controle externo da atividade policial pelo Ministério Público e controle social da atividade policial”.

Somente em março, o número de mortos em confrontos com a PM foi de 76 mortes envolvendo policiais militares em serviço ou de folga, um aumento de 46%, conforme apontou um balanço preliminar da Ouvidoria das Polícias.

No primeiro trimestre do ano, o número de pessoas mortas em intervenções policiais aumentou 5% em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 203 mortes em 2019 versus 193 em 2018.

2 COMENTÁRIOS

  1. infelizmente Carapicuíba é um município macabro ,começando pelo seus governantes,terra sem lei,morei aí,e se Deus permitir jamais voltarei, não gosto desse lugar,que parece que de 2000 em diante a cidade fede

  2. Já presenciei Polícia militar da Rocam batendo com socos nas costelas e costas de dois Jovens que estavam bem arrumados por sinal que estavam na esquina da escola Natalino Fidêncio no Parque Santa Tereza, mesmo lugar onde ocorreu este abuso sobre esse jovem de 18 anos que a vida dele era na igreja Congregação Cristã do Brasil no bairro…
    A iluminação da rua da escola também é muito ruim, a prefeitura de Carapicuíba tinha e tem que melhorar as iluminação dos postes dessa rua e das demais que são muito escuras….

Deixe uma resposta