Após inundação, abrigo pede doações e procura lar para bichinhos

0
375

Amor em Patas perdeu ração e cobertores com a chuva da última segunda, 10/2. Agora, local busca ajuda para adotar cães e gatos

Por Thiago Correia

Animais resgatados pelo abrigo de Ju Pecoraro foram para a parte mais alta da casa, que ficou inundada devido à chuva da última segunda-feira, 10/2/Foto: Ju Pecoraro

O abrigo de animais Amor em Patas, da Vila Lourdes, foi um dos locais afetados pelas chuvas da última segunda-feira, 10/2 (relembre). A ONG perdeu ração e cobertores dos animais com a enchente que atingiu o local. Com a divulgação do caso nas redes sociais, o Amor de Patas recebeu doações de pessoas e conseguiu deixar todos os pets confortáveis novamente.

Abrigo perdeu ração e cobertores devido às fortes chuvas/Foto: Ju Pecoraro

“Quando a inundação aconteceu, fomos tomadas por um desespero sem saber o que fazer. Mas, como dizem ‘depois da tempestade, vem a bonança'”, disse o abrigo em nota de agradecimento nas redes sociais. Agora, o objetivo é encontrar novos lares para os cerca de 30 cachorros e sete gatos que a organização cuida.

Com cerca de dois anos de existência, o Amor em Patas fica no quintal da casa de Ju Pecoraro, 21 anos, estudante de Veterinária. “É o meu quintal. Os cachorros estão no meu quintal, meu pai adaptou como se fosse um canil, com baias, etc”, contou ao Carapicuíba na Rede. Ju cuida dos bichinhos com sua mãe e ainda conta com a ajuda das amigas Bruna Cunha e Carina Passos, que são protetoras dos animais. “Elas ajudam na divulgação, doação dos animais e quando zeramos a ração, elas tentam dar um jeito doando ração pra eles”, afirma a estudante, que ainda revela que um tio também auxilia no trato dos animais.

Frida, cadelinha de três anos, foi atropelada em Itapevi e perdeu um dos olhos. Após ser castrada, ela engordou. Apesar disso, ela vive bem e feliz/Foto: Ju Pecoraro

Ju explica que resgata os animais das ruas: “Muitas vezes eles estão feridos, atropelados, sofrendo maus tratos ou doentes, levo no veterinário, depois eu castro e coloco pra adoção”. Ela lembra que quando iniciou as atividades do abrigo, quase não tinha ajuda. Os animais morriam de virose por não serem vacinados e 15kg de ração, por exemplo, conseguia alimentar os bichinhos por apenas dois dias. “Eu, sem dinheiro, levava em um amigo veterinário. Então ele não cobrava consulta, mas às vezes não salvava [os pets]. Postava no Facebook, fazia vaquinha, era muito difícil”, relembra.

Dourado foi adotado por uma moradora de Barueri, mas acabou morrendo com um tumor há um mês/Foto: Ju Pecoraro

A cadelinha Frida, por exemplo, foi atropelada e perdeu um dos olhos. Ela foi resgatada em Itapevi. Ju conta que levou Frida para fazer uma cirurgia, que custou cerca de R$ 700. “Conseguimos algumas pessoas pra doar esse valor, castramos ela e ela engordou muito após ser castrada”, explica. “Ela vive muito bem só com um olhinho, toda feliz e gorda depois de todo o sofrimento”, diz contente.

Dourado foi resgatado em Itapevi já velhinho, como ressalta Ju. Ele foi adotado por Renata, moradora do Alphaville em Barueri, mas morreu no mês passado por conta de um tumor. “Ele foi muito especial também, agora é uma estrelinha”, lamenta a estudante. Já o Snop é o mais velho do abrigo, quase não tem dente e ainda tem problema na pata. “O Thor foi resgatado atropelado e com problema na coluna, hoje corre pra todo lugar”, exclama Ju. Já Loira e seus filhotes foram todos doados e ganharam um novo lar.

Da esquerda para direita: Snop, o mais velho do abrigo; Thor, atropelado e resgatado com um problema na coluna; e Loira e seus filhotes, todos já adotados/Foto: Ju Pecoraro

Ju também contou ao CnR que agora o Amor de Patas já tem mais recursos, mas ainda precisa de ajuda. “Todos [animais] são vacinados pelo pessoal da Luisa Mell. Todos são castrados, consegui pela prefeitura e é o dia inteiro e muito demorado”, afirma. Ela reitera que as pessoas podem ajudar doando ração, cobertores e produtos de limpeza, além de seguir o abrigo no Instagram (aqui) e no Facebook (aqui). “Tendo mais seguidores, vamos conseguir ainda mais ajuda. E com isso, consigo resgatar mais animais. Tenho essa quantidade, mas poderia ter mais”, declara.

Estudante de Veterinária, Ju Pecoraro cuida dos animais no quintal de casa, que foi todo adaptado para recebê-lo. Ela faz todo o trabalho com ajuda de amigas e da família um sorriso no rosto/Foto: Ju Pecoraro

“O que dá mais prazer em realizar esse trabalho é a gratidão que eles [animais] têm quando me veem”, enaltece Ju. “A alegria e o barulho que fazem todos os dias quando eu apareço no quintal pra limpar e alimentar eles é gratificante”, conclui.

Quem quiser adotar um dos bichinhos do Amor em Patas, precisa entrar em contato com a Ju pelo número (11) 95915-3098 ou Instagram do abrigo, preencher um formulário, mandar foto da casa onde o animal ficará e realizar uma entrevista.

Deixe uma resposta