Casas alagadas, móveis perdidos e lama: cidade em situação de emergência

0
424

Carapicuíba tenta se reestruturar dos estragos causados pela chuva, que deixou vários pontos de alagamento

Esta terça-feira, 11/2, está sendo um dia de força tarefa para por a cidade em ordem. As fortes chuvas que atingiram toda a Região Metropolitana na segunda-feira chegaram em Carapicuíba com mais de 100 milímetros, deixando estragos no município (veja).

Desde ontem, a prefeitura decretou situação de emergência. As equipes da Defesa Civil, Guarda Municipal, Trânsito, Habitação, Obras, Meio Ambiente, Saúde e Assistência Social atuaram em diversos bairros da cidade e continuam trabalhando para amenizar os transtornos.

Prefeitura publicou na manhã desta terça que equipes faziam a limpeza do km 21, próximo à estação General Miguel Costa/ Foto: Divulgação Facebook Prefeitura de Carapicuíba

Na Vila Gustavo Correia, que ficou tomada pela água durante toda a segunda-feira, a lama ficou pelas ruas do bairro. Casas alagaram, assim com a EE Josué Mattos de Aguiar, em que a água entrou em todo o andar térreo, atingindo a secretaria, salas, pátio e quadra, e que precisou ter as aulas suspensas nesta terça para ser realizada a limpeza. As aulas terão reposição, em data ainda a ser definida.

Rua Laérte Cearense, da escola da Vila Gustavo Correia, é uma das que ficaram cheia de lama no bairro/ Foto: Leitora CnR

Também na Gustavo Correia fica a comunidade do Porto de Areia. Por lá, as vielas ficaram alagadas desde às 5h30 de segunda até às 4 horas de terça, quando a água começou a baixar. Em quase 24 horas de enchente, 63 famílias, das 1.200 que vivem na área, perderam tudo. Os moradores contaram que o aterramento da Lagoa de Carapicuíba, que está sendo feito, piorou os alagamentos. Equipes da prefeitura chegaram ao local na manhã desta terça fazendo o levantamento das perdas.

No Jardim Novo Horizonte, os moradores relatam que equipes municipais estiveram no bairro. “Os funcionários não bateram de porta em porta para oferecer ajuda e nem lavaram a rua, quem limpou foi o pessoal do bairro mesmo”, contou uma moradora ao Carapicuíba na Rede. “Faz uns quatro anos que não vejo alagar assim aqui. Mas, como estamos acostumados com enchentes, nossa casa é aterrada pra evitar de chegar água e quando saímos em tempo de chuva, colocamos sofá e móveis pra cima”, comentou.

Porém, outras famílias do bairro perderam tudo dentro das casas. “A água levou minhas coisas. O rio invadiu minha casa, com água quase na cintura. Graças a Deus, consegui tirar as crianças antes de ficar tudo cheio”, contou outra moradora, que afirmou que a Defesa Civil entrou na casa dela porque ela foi atrás.

Há relatos também de que a região do km 21, um dos locais que demorou para a água baixar, ficou cheia de lama e lixo. Já a lagoa do Parque dos Paturis, que transbordou, voltou ao nível normal.

Na Vila Lourdes, em que o Campo do 15 e as ruas do entorno alagaram, o cenário é de devastação, como em vários pontos onde a água baixou nessa terça.

Campo do 15, na Vila Lourdes, também ficou cheio de lama. Há algumas semanas, o espaço passou por um serviço de corte de mato, depois de moradora postar o descaso nas redes sociais cobrando a prefeitura. Várias famílias do entorno perderam tudo dentro de casa/ Foto: Leitora CnR

De acordo com a prefeitura, em postagem no Facebook, a Assistência Social esteve visitando as famílias afetadas e  fornecendo materiais de limpeza, colchões, cestas básicas e marmitex. 

A administração municipal afirmou ao Carapicuíba na Rede que as secretarias de Assistência Social e Habitação estão auxiliando as famílias da comunidade Porto de Areia e Vila Gustavo Correia. As equipes da Secretaria de Obras e Serviços Municipais estão realizando a limpeza do Jardim Novo Horizonte, Vila Lourdes, Estrada do Jacarandá, Cohab V, Vila Gustavo Correia e Vila Cretti.

Já a Defesa Civil atua conforme os chamados recebidos, e pode ser contactada pelo telefone 4146-5810. A orientação é que aqueles que foram prejudicados com as chuvas podem procurar a Secretaria de Assistência Social, na avenida Celeste, 178, Centro.

Deixe uma resposta